C   redit
Hoje eu resolvi falar de você como se você fosse meu.
É tão bom estar ao seu lado meu amor, viver contigo todas essas aventuras, brigar quando necessário e te apoiar sempre. Ao seu lado eu sou feliz, você me transmite uma paz e um amor incondicional. Tudo com você é perfeito e maravilhoso, nossos momentos são únicos e verdadeiros. Quero viver uma vida inteira ao seu lado e nunca me separar de você, porque você é tudo que um dia eu pedi a Deus.
Adoro um amor inventado!
Para alguém que talvez nunca irá ler. (via capacitadora)
Não se nasce mulher: torna-se.
Simone de Beauvoir (via segredou)
Não é das flores que a garota gosta, é do fato de você ter se lembrado dela.
E então, lembra de mim? Eu costumava ser sua amiga. Melhor amiga.
S-egregada
Não”, sussurrou ela. “Não quero fechar os olhos e perder você de vista”. O garoto, segurando-a entre seus braços, lança seu sorriso mais bobo e doce do mundo, aquele que faz qualquer coração ferido cicatrizar. “Estarei aqui até quando você não merecer. Vou lhe acordar todas as manhãs com beijos demorados na sua bochecha e sussurrar bom dia dorminhoca, com seu café já pronto. Vou trazer flores diferentes a cada semana e fingir que esqueci nosso aniversário só pra te fazer uma surpresa ainda maior. Vou absorver todas as suas palavras e suas manias, farei de você meu próprio ponto de paz e pode ter certeza, farei o possível para ser o seu.
S-egregada (via s-egregada)
Uns vão te dar o inferno, outros te darão o céu.
The Pretty Reckless.   (via apagou)
Se não for pedir muito:
não seja tão pouco.
Eu me chamo Antônio.    (via apagou)
Assuma que ainda sonha comigo, que sente saudades e que quando me vê seu coração salta. Assuma que ainda me ama.
S-egregada
Admito que machucou, que doeu, que me sufocou. Admito que eu não sabia pra onde correr. Admito que me consumiu, que me corroeu, que me despedaçou. Mas também admito me fez olhar pra frente e entender que tudo nessa vida tem uma razão, e que se você se machuca muito, começa a não doer tanto.
Caio Fernando Abreu.   (via carenciada)
Estou bem, só que não tenho apetite. Meus nervos costumam me dominar, especialmente aos domingos; é quando me sinto péssima. A atmosfera é sufocante e pesada como chumbo. Lá fora não se ouve um pássaro, e um silêncio mortal e opressivo paira sobre a casa e se gruda em mim, como se fosse me arrastar para as regiões mais profundas dos abismos subterrâneos. Em tempos assim, papai, mamãe e Margot não têm a menor importância para mim. Ando de cômodo em cômodo, subo e desço escadas e me sinto um pássaro de asas cortadas, que fica se atirando contra as barras da gaiola. “Me deixem sair para onde existem ar puro e risos!”, grita uma voz dentro de mim. Nem mesmo me incomodo mais em responder, só fico deitada no divã. O sono faz o silêncio e o medo terrível irem embora mais depressa, ajuda a passar o tempo, já que é impossível matá-lo.
O Diário de Anne Frank. (via reatou-se)
Se eu demorar, me espera. Se eu te enrolar, me empurra. Se eu te entregar, aceita. Se eu recusar, me surra. Se eu sussurrar, escuta. Se eu balançar, segura. Se eu gaguejar, me entende. Se eu duvidar, me jura. Se eu for só teu, me tenha. Se eu num for, me larga. Se eu te enganar, descobre. Se eu te trair, me flagra. Se eu merecer, me bate. Se eu me mostrar, me veja. Se eu te zuar, me odeia, mas se eu for bom, me beija. Se tu ta bem, eu to, se tu num ta, também não tô legal. Se eu te amar, me sente. Se eu te tocar, se assanha. Se eu te olhar, sorria. Se eu te perder, me ganha. Se eu te pedi, me dá, se for brigar, pra que? Se eu chorar, me anima, mas se eu sorri é por você.
Projota  (via reatou-se)